Moradores de Pinheiros reclamam de insegurança

Com pouco mais de 27 mil habitantes, cidade registrou 15 homicídios em 2018 e 14 em 2019. Comunidade pede policiais, videomonitoramento e políticas sociais 

Por Gabriela Zorzal | Atualizado há 5 dias

Comissão de Segurança
Foram registrados 15 homicídios na cidade em 2018 e 14 em 2019 / Foto: Gabriela Zorzal

Os moradores de Pinheiros relataram para a Comissão de Segurança que o município está longe de ser uma cidadezinha tranquila e segura do interior. Durante a audiência pública realizada nesta quinta-feira (13), moradores disseram que a sensação de insegurança é constante e pediram, além de maior efetivo policial, sistema de videomonitoramento e investimento em prevenção para os jovens da região.

Veja mais fotos da reunião

O município de Pinheiros possui uma delegacia que atende também às cidades de Montanha, Ponto Belo e Mucurici. O efetivo da Polícia Civil é composto por um delegado e quatro servidores. A delegacia possui três viaturas. 

Foram registrados 15 homicídios na cidade em 2018 e 14 em 2019. A cidade tem pouco mais de 27 mil habitantes. Já a Polícia Militar conta com 29 servidores e atende também ao município de Boa Esperança.

Educação 

O morador do município Lucas Sá reforçou a necessidade de investimento em educação. "Nossos jovens e adolescentes estão indo para o caminho do crime. Nossa briga não é só trazer mais policiais pra Pinheiros. Npssa briga é investir também em prevenção. O índice de evasão escolar na faixa de 13 a 19 anos em Pinheiros é o maior do Estado. Se a gente não cuidar disso, vamos enxugar gelo", opinou.

A diretora escolar Janete Fávero fortaleceu o pedido. “Está muito difícil viver com a violência no nosso município. Os alunos não podem mais ficar no portão da escola. Precisamos de uma atenção especial para nossa juventude". 

Patrulha rural

O empresário Érico Orletti pediu policiamento voltado para a área rural. "A patrulha rural fazia um trabalho preventivo muito importante. Pinheiros é um município essencialmente agrícola e muitas famílias estão deixando o campo por causa da segurança", registrou.

O vereador de Mucurici Gabriel dos Santos descreveu problemas semelhantes em sua cidade. "Temos uma demanda grande na área da segurança especialmente para a comunidade rural. Precisamos fortalecer o efetivo policial para o município".

Comércio 

Moradores que trabalham com lojas e restaurantes relataram a necessidade de fortalecer o policiamento para o comércio local. O vereador de Pinheiros Pablo Renan (PV), um dos solicitantes da audiência, reforçou o pedido.

"Os comerciantes estão pagando do bolso para ter uma segurança mais efetiva. É muito importante implantar o sistema de videomonitoramento. Outra coisa importante é que o número 190 tenha atendimento local porque hoje o atendimento é feito em Nova Venécia", disse o vereador.

O prefeito do município, Arnóbio Pinheiro Silva, destacou as ações do poder municipal e fez um apelo ao colegiado. “Todas as reivindicações já foram encaminhadas ao governador do Estado e ao secretário de Segurança. Infelizmente, pouco ou quase nada conseguimos trazer ao município.

A Comissão de Segurança vai levar nossas demandas mais uma vez. Estamos colaborando com as polícias naquilo que nós podemos, mas não temos condições de atender tudo, em especial aquelas responsabilidades que são do Estado", registrou o gestor.

O delegado da cidade, Leonardo Ávila, destacou a parceria diária para desenvolver o trabalho na região. “Nós temos muitas parcerias. A prefeitura ajuda em uma capina, em um combustível que acaba no final do mês, em um encanamento que quebrou. A segurança é obrigação do Estado, mas é dever de todos. Nós pedimos que a população denuncie. Eu atendo a todos na delegacia, estamos de portas abertas”, destacou. 

Uma das demandas apresentadas pelo delegado foi pátio e guincho para o serviço de recolhimento de veículos irregulares.

Na avaliação do promotor de Justiça da comarca de Pinheiros, Pedro Rosário de Souza, houve um sucateamento da segurança nos últimos tempos. 

“A área da segurança passa por um sucateamento e é óbvio que os servidores vão ter dificuldade de entregar um trabalho conforme a necessidade local. Mas é importante dizer que o índice de resolução dos crimes é alta. O videomonitoramento e o pátio para apreensão de veículos são fundamentais para a região”, destacou.

Relatório 

A partir do debate, o colegiado vai elaborar um relatório e dialogar com o Executivo. A audiência abre o ciclo de encontros da comissão para este ano. 

"Pretendemos, até o final do mandato, visitar todos os municípios capixabas. No ano passado, o colegiado fez 13 audiências públicas para compreender a realidade das regiões. Assinamos um protocolo de intenções que convoca os municípios a debaterem esse tema. Segurança é um assunto de todos", destacou o presidente do colegiado, deputado delegado Danilo Bahiense (PSL).

A audiência pública em Pinheiros foi um pedido dos vereadores do município. O deputado Alexandre Xambinho (Rede) também acompanhou a reunião. 

“Além da questão dos homicídios, os moradores têm registrado aumento na sensação de insegurança, com frequentes assaltos e tiroteios. Vamos dialogar com o Executivo Estadual", contou Xambinho.

Comissões: Segurança
Descartáveis: semana para debater uso zero
Emílio Mameri sugere que data sirva para esclarecer impactos causados por esses produtos
Personal poderá ter livre acesso às academias
PL do Delegado Danilo Bahiense acaba com cobrança de taxas por parte dos alunos e educadores físicos
Doenças raras: diagnóstico tardio e custo do tratamento são entraves
Presidente de associação de apoio aos pacientes, Cristiane Alvarenga, defende criação de centro de referência para atendimento aos pacientes
Reaproveitamento do plástico em debate
Evento abordou a importância de tratar a reciclagem com viés econômico
Descartáveis: semana para debater uso zero
Emílio Mameri sugere que data sirva para esclarecer impactos causados por esses produtos
Personal poderá ter livre acesso às academias
PL do Delegado Danilo Bahiense acaba com cobrança de taxas por parte dos alunos e educadores físicos
Doenças raras: diagnóstico tardio e custo do tratamento são entraves
Presidente de associação de apoio aos pacientes, Cristiane Alvarenga, defende criação de centro de referência para atendimento aos pacientes