Deputado alerta para riscos da pesca de arrasto

Em discurso na sessão, Favatto afirmou que prática é extremamente prejudicial ao ecossistema marinho no Espírito Santo

Por Silvia Magna

Painel eletrônico exibe a imagem de Favatto em tela
Segundo Favatto, prática elimina inúmeros organismos marinhos / Foto: Tati Beling

Os prejuízos ambientais causados pela pesca com rede de arrasto foram abordados pelo deputado Dr. Rafael Favatto (Patri) na sessão ordinária desta quarta-feira (16). O parlamentar elencou as inúmeras espécies marinhas que são afetadas pela prática, registrada no litoral do Espírito Santo. 

Favato alertou para os perigos da atividade, que pode afetar o ecossistema marinho de maneira grave e, em alguns casos, definitiva, já que a rede de arrasto não captura apenas peixes e crustáceos, mas também outras espécies, como esponjas e estrelas-do-mar, corais, algas e todos os outros seres vivos que estiverem ao alcance da malha. 

Ele chamou atenção para a pesca de arrasto em profundidade, que, segundo ele, consegue alcançar mais espécies e é extremamente prejudicial porque elimina inúmeros organismos marinhos. 

“O fundo do mar está virando um deserto. A pesca com rede de arrasto não leva apenas aquilo que é para uso comercial, mas uma grande quantidade de seres essenciais para o equilíbrio no fundo do mar. Em um passado recente tivemos exemplos de espécies de peixes que praticamente desapareceram da nossa mesa por causa da captura indiscriminada, como o peroá, por exemplo”, afirmou o deputado.

Álbum de fotos da sessão desta quarta-feira

Pesca de arrasto

É uma modalidade de captura de peixes e crustáceos realizada em profundidade, por meio de uma embarcação com a rede sendo tracionada ao longo da camada de água. Presa ao barco, a rede consegue alcançar uma área maior e mais profunda do oceano. 

Em 2019, começou a tramitar na Câmara Federal o Projeto de Lei 3326/2019, que proíbe a pesca de arrasto no litoral capixaba. A proposta do deputado federal Helder Salomão (PT-ES) veta a captura de algumas espécies de  camarão, como o camarão-rosa, camarão-sete-barbas, camarão-branco, camarão-vermelho e camarão-barba-ruça, no período entre 1° de dezembro e 29 de fevereiro. As informações são do Portal da Câmara dos Deputados. 

Educação

O protocolo criado pela Secretaria de Estado de Educação (Sedu) para retorno às aulas na rede pública estadual também esteve em pauta na sessão. Sergio Majeski (PSB) criticou novamente o documento e solicitou à Comissão de Educação da Casa que convocasse o representante da Sedu para debater a situação. Para o parlamentar, a construção do protocolo não contemplou de forma correta as necessidades de alunos e profissionais do setor. 

Perícia 

Hoje é o Dia do Auxiliar de Perícia Médico-Legal e o deputado Delegado Danilo Bahiense (sem partido) lembrou a importância desses servidores. Segundo ele, esses profissionais executam trabalho muito importante no recolhimento e processamento de cadáveres, mas não são valorizados pelo Estado.

“Em 1990, o Espírito Santo contava com 99 auxiliares de perícia médica. Passados 30 anos, temos apenas 30 deles. É lamentável!”, afirmou Bahiense.  
 

First slide
First slide
First slide
First slide
CPI dos Maus-Tratos apura denúncia de zoofilia
Homem em situação de rua estaria maltratando cadela e dois filhotes em Vila Velha
Nos campos de Ecoporanga a luta continua
Mudança de tática do movimento camponês e novo massacre na região do Contestado capixaba
Caparaó reivindica mais segurança rural
População da região quer uma torre de telefonia para facilitar a comunicação, mais policiais, infraestrutura e reformas em delegacias
Matéria altera comando da Escola do Legislativo
Hoje, presidência da escola cabe ao 1º secretário; proposta é que qualquer deputado indicado pela Mesa Diretora possa assumir o cargo 
CPI dos Maus-Tratos apura denúncia de zoofilia
Homem em situação de rua estaria maltratando cadela e dois filhotes em Vila Velha
Nos campos de Ecoporanga a luta continua
Mudança de tática do movimento camponês e novo massacre na região do Contestado capixaba
Caparaó reivindica mais segurança rural
População da região quer uma torre de telefonia para facilitar a comunicação, mais policiais, infraestrutura e reformas em delegacias