CPI ouve acusado de esfaquear cadela

Homem disse em depoimento à CPI dos Maus-Tratos que desferiu golpe com canivete contra animal para defender o próprio cachorro, que teria sido atacado

Por Gleyson Tete, com edição de Nicolle Expósito

Pessoas reunidas em plenário da Assembleia
Tutor da cadela esfaqueada e representantes da ONG que atuou no caso também serão ouvidos / Foto: JV Andrade

O caso de uma cadela esfaqueada no bairro Interlagos, Linhares, foi tema da reunião extraordinária da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Maus-Tratos contra os Animais realizada na tarde desta quinta-feira (25) na Assembleia Legislativa (Ales). O rapaz acusado do ato compareceu ao encontro e disse que agiu em defesa do seu cachorro, de porte pequeno. A cadela recebeu atendimento veterinário e sobreviveu à agressão.

L.T.V. relatou que no dia 2 de maio saiu para passear com seu cachorro à noite, quando o mesmo foi atacado por um animal de tamanho maior. Segundo contou, suspendeu o animal pela coleira, mas o equipamento arrebentou e, assim, a cadela mordeu e sacudiu o cachorro dele. Diante do fato, utilizou um canivete para desferir dois golpes contra a cadela com o intuito de afastá-la.

Ele afirmou ter ficado um tempo no local esperando o tutor da cadela aparecer para conversar, mas disse que com a aglomeração de pessoas foi orientado a se retirar do local para evitar uma confusão maior. Após o ocorrido, falou que precisou levar o cachorro dele a uma clínica veterinária, onde foi constatada uma hemorragia interna. Posteriormente, compareceu à delegacia de polícia para prestar esclarecimentos sobre o fato.

Fotos da reunião

A deputada Janete de Sá (PSB), presidente da CPI, e Alexandre Xambinho (PSC), relator, indagaram se era comum o rapaz sair com canivete para a rua. “Não uso normalmente, geralmente saio com ele à noite por receio de ser atacado por outros animais. (...) Foi um momento de má sorte, apenas me defendi num reflexo. Continuei no local, mas o dono não apareceu”, frisou o convocado.

Questionado se teria procurado o tutor da cadela esfaqueada para pagar as despesas veterinárias dela ou se teve contato ou fez ameaça aos integrantes da ONG Aipa, que levaram o animal para a clínica, respondeu que não teve nenhum contato com ambos e que até evitou utilizar redes sociais depois do que ocorreu.

Xambinho perguntou se ele se arrependia do que tinha feito. “Me sinto arrependido por no momento não ter pensado em algo melhor, mas o que fiz proporcionou meu cachorro ter ficado vivo. Sinto arrependimento por ter ferido um cachorro. Meu cachorro também quase morreu, não sou só agressor, meu cachorro também foi agredido”, enfatizou L.T.V.

Perante o narrado pelo acusado, Janete explicou que a conduta de L.T.V. configura maus-tratos contra animais, crime com pena prevista de 2 a 5 anos de reclusão. A deputada comentou que enviará o material produzido pela CPI para o delegado responsável pelo caso e que acionará o Ministério Público do Espírito Santo (MPES) para abertura de processo judicial. 

Ela ainda sugeriu que o rapaz pagasse a conta da clínica veterinária como forma de mostrar arrependimento pelo que havia causado. Por fim, os parlamentares aprovaram a convocação do tutor da cadela esfaqueada e dos representantes da ONG que levaram o animal para o atendimento veterinário.

Também participaram do encontro o representante do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-ES) Rodolpho José da Silva Barros; a presidente da Comissão Especial de Proteção e Defesa dos Animais da OAB/ES, Marcella Rios Gava Furlan; os procuradores da Ales Eduardo Rocha Lemos e Custódio Junqueira Pedroso; e o consultor temático da CPI José Roberto Silva Hernandes.

Temas: animal
Papel dos conselhos na defesa das mulheres em pauta
Seminário abordou importância de estruturas como Conselhos Municipais e Procuradorias das Mulheres para a construção de políticas públicas de gênero
PL prevê educação física adaptada para aluno com transtorno
Alunos com transtornos sensoriais ou psicológicos poderão ter assegurado em lei o direito à educação física adaptada
Lei oficializa primeiros passos dos imigrantes
Rota Caminho dos Imigrantes, entre Santa Teresa e Santa Leopoldina, tem quase 30 km; outras cinco leis de valorização do turismo e cultura foram publicadas no DPL ...
CPI alerta para casos de bullying na internet
Comissão de Inquérito da Ales apura abusos contra crianças e adolescentes no ambiente virtual; violações vão de ameaças a incitação à prática de crimes
Papel dos conselhos na defesa das mulheres em pauta
Seminário abordou importância de estruturas como Conselhos Municipais e Procuradorias das Mulheres para a construção de políticas públicas de gênero
PL prevê educação física adaptada para aluno com transtorno
Alunos com transtornos sensoriais ou psicológicos poderão ter assegurado em lei o direito à educação física adaptada
Lei oficializa primeiros passos dos imigrantes
Rota Caminho dos Imigrantes, entre Santa Teresa e Santa Leopoldina, tem quase 30 km; outras cinco leis de valorização do turismo e cultura foram publicadas no DPL ...
Política de Privacidade.

O Portal da Ales utiliza cookies para auxiliar na sua navegação. Ao utilizar este site, você concorda com a nossa política de monitoramento de cookies. Para mais informações, acesse a nossa Politica de Privacidade.

ACEITO E FECHAR