Audiência debate falta de estrutura nas polícias

Tema foi abordado em reunião realizada pela Comissão de Segurança na Câmara de Vereadores de Colatina

Por Titina Cardoso 

Audiência pública da Comissão de Segurança
Comissão levará o debate a Cachoeiro, Linhares e Aracruz / Foto: Titina Cardoso

As carências estruturais das polícias foram um dos principais temas levantados pelos participantes de audiência pública realizada em Colatina. Na última quinta-feira (16), a Comissão de Segurança e Combate ao Crime Organizado da Assembleia Legislativa esteve na Câmara Municipal de Vereadores para ouvir as demandas da população referentes à segurança pública.

A falta de efetivo, os baixos salários e as condições insalubres das unidades policiais foram as principais reclamações dos participantes. Um dos principais problemas apresentados foi a falta de estrutura do Serviço Médico Legal (SML) de Colatina para atender à demanda da região. 

Confira a fotos da audiência pública

O vereador Rildo Rodrigues (DEM), de Alto Rio Novo, falou sobre a situação dos moradores do seu município, que sofrem com a demora na liberação dos corpos dos seus familiares falecidos. O SML mais próximo fica em Colatina, a cerca de 90 quilômetros de distância, e a falta de funcionários acaba atrasando a liberação e aumentando o sofrimento das famílias. 

Audréya Bravo (SD), vereadora de Colatina, também abordou o assunto, ressaltando a falta de estrutura do local: “O nosso SML foi inaugurado em 1999. Desde lá, não me recordo de nenhuma intervenção”, comentou. 

A legisladora municipal também pontuou a demora na liberação dos corpos, a falta de profissionais e a necessidade de contratação de médicos para ajudarem na elucidação das mortes. “Os poucos que lá estão trabalham com carga excessiva”, disse. 

O presidente da Comissão de Segurança e proponente da audiência pública, Delegado Danilo Bahiense (PSL), comentou sobre a situação do serviço. “A gente tem passado por situações lamentáveis. Já tivemos final de semana sem médicos legistas em Colatina, Linhares e Cachoeiro de Itapemirim e os corpos tiveram de ser levados para Vitória”, disse. 

Um dos motivos para a falta de médicos seria, segundo Bahiense, a evasão causada pelos baixos salários. O parlamentar também ressaltou a falta de reposição do efetivo de auxiliares de perícia médico-legal. “Em 1990, tínhamos 99 auxiliares, hoje nós temos apenas 30”, esclareceu. 

Delegacia

Não é só o SML que precisa ser reestruturado, segundo os participantes do encontro. A delegacia de Colatina, que é regional e atende a mais seis municípios – Alto Rio Novo, Baixo Guandu, Governador Lindemberg, Marilândia, Pancas e São Domingos do Norte – também carece de melhorias, segundo o delegado regional, Everton Mauro Fernandes.

“Nossa unidade é um imóvel construído há mais de 60 anos e nunca passou por uma grande reforma. É uma delegacia regional e conta várias delegacias especializadas”, explicou. Para ele, o ideal seria a transferência da delegacia para outro local. O delegado disse que entre 200 e 300 pessoas são atendidas por dia para diversos serviços, como emissão de carteira de identidade e registro de boletim de ocorrência.

A vereadora Audréya concordou: “A delegacia está em condições sub-humanas, insalubres”. Sobre a Delegacia da Mulher, ela reclamou da falta de privacidade para atendimento das vítimas. “Não tem condição de atender às mulheres daquela forma”, disse. 

Outras cidades

Essa foi a primeira de uma série de audiências públicas que a Comissão de Segurança realizará no interior do estado para colher as demandas da população. As próximas cidades a receber o colegiado são Cachoeiro de Itapemirim, Linhares e Aracruz. 

“Sabemos das carências do interior do Estado. O interior todo está numa situação precaríssima. As delegacias, por exemplo, estão sem as mínimas condições de desenvolver o trabalho investigativo”, comentou Bahiense. 

De acordo com o presidente da comissão, as prioridades apresentadas pelos munícipes comporão um relatório que será encaminhado ao governo do Estado e servirá de base, também, para a elaboração de proposições a serem apresentadas na Assembleia Legislativa. 

Comissões: Segurança
Projeto regra religação de serviços essenciais
Pela proposta, religação normal dos serviços nas áreas urbanas deverá levar no máximo seis horas e as de urgência três horas, com o dobro do limite para zona rural
Pagamento no cartão para evitar corte de energia
O objetivo da matéria é dar mais opções para quitação de débitos e poupar a empresa do retrabalho de desligar e religar o serviço
Mobilidade urbana foi tema de debate e fiscalização em 2019
Comissão de Infraestrutura da Assembleia chamou sociedade, Poderes e entidades para discussão sobre os principais gargalos da área no Estado
Favatto quer fraldário para idosos em lojas
Pelo texto proposto, espaço também atenderia adultos com alguma deficiência
Projeto regra religação de serviços essenciais
Pela proposta, religação normal dos serviços nas áreas urbanas deverá levar no máximo seis horas e as de urgência três horas, com o dobro do limite para zona rural
Pagamento no cartão para evitar corte de energia
O objetivo da matéria é dar mais opções para quitação de débitos e poupar a empresa do retrabalho de desligar e religar o serviço
Mobilidade urbana foi tema de debate e fiscalização em 2019
Comissão de Infraestrutura da Assembleia chamou sociedade, Poderes e entidades para discussão sobre os principais gargalos da área no Estado