Deputados comentam aprovação de fundos

Parlamentares disseram que Fundo Soberano coloca Estado como exemplo de pioneirismo, boa gestão e real capacidade de investimento

Por Redação Web Ales

Enivaldo dos Anjos
Líder do governo agradeceu deputados da base e independentes / Foto: Lissa De Paula

Após a aprovação de matérias que criam dois novos fundos estaduais – o de Infraestrutura e o Soberano – deputados da base do governo fizeram uso da tribuna para justificarem seus votos e agradecerem o que chamaram de unidade a favor do Espírito Santo. Para Freitas (PSB), Marcelo Santos (PDT) e Enivaldo dos Anjos (PSD), o Fundo Soberano coloca o Estado como um exemplo de pioneirismo, boa gestão e real capacidade de investimento.

Veja mais fotos da sessão ordinária

Agradecendo a votação “unânime e responsável” do Plenário, Freitas salientou o que chamou de protagonismo de um governador Renato Casagrande (PSB) “democrático, republicano e responsável” por enviar os dois projetos.

“Foi um projeto de infraestrutura para todas as microrregiões. Foi outro projeto que coloca um fundo soberano pensando a sociedade para daqui a 20 anos. Em 2013 o governo identificou que o Estado tinha mais direito sobre royalties e sobre participação especial no Parque das Baleias. Estamos colhendo fruto do que foi plantado em 2013, fruto que não é pequeno”, discorreu o socialista.

Líder do governo, o deputado Enivaldo dos Anjos agradeceu tanto os deputados da base quanto os independentes “pela contribuição e pelos debates”, e destacou o que chamou de uma atitude de estadista do governador pela proposta do Fundo Soberano “pois trata o Estado de maneira digna e só coloca o Espírito Santo na ponta, com responsabilidade com as leis”.

Já Marcelo Santos lembrou que Casagrande poderia tanto criar o fundo sem envio de matéria ao Legislativo, e que o mesmo mecanismo não havia necessidade de ser criado agora, no entanto, a decisão do Executivo representaria uma vitória do povo capixaba. Retornando à tribuna, Enivaldo comparou a situação do ES com o Brasil. Citou o discurso corrente de um cenário nacional preocupante se reformas não forem aprovadas.

“Colocam que se as reformas não forem aprovadas o governo federal estaria quebrado. Nós do Espírito Santo podemos viver este privilégio de se criar fundo para depositar nos próximos anos R$ 10 bilhões. Isso demonstra toda eficiência da economia, da estabilidade e da organização administrativa do Estado”, defendeu.

“Faz com que possamos ser vistos de maneira privilegiada. Dos quatro estados da Região Sudeste só dois têm capacidade de investimento, São Paulo e o Espírito Santo, que passa a ser visto a partir de hoje como um Estado organizado. É como se fosse um país de primeiro mundo. Provou que tem maturidade, tem gestão, tem governo centrado”, concluiu.

Fase das comunicações

Na fase das comunicações, realizada após a sessão extraordinária, a deputada Iriny Lopes (PT) fez discurso sobre o que chamou de “questão democrática e representação democrática”.

“A democracia representa respeito ao pensamento adverso e essa Casa representa diversos segmentos. Nós não podemos aceitar que esse modo de vida democrática seja substituído pelo adverso, que é o autoritarismo. Quem me elegeu é quem pensa e enxerga igual a mim. Não farei um mandato oposto daquilo que defendi ou prometi no período eleitoral. Eleição não é brincadeira”, refletiu.

“Os eleitores que me trouxeram aqui são humanistas, democráticos, eleitores de esquerda. Que não gostariam que eu me posicionasse como de centro ou de direita ou ultradireita. É a primeira vez que vejo, em 40 anos na vida política, postura de pares que desrespeitam o posicionamento de uma colega sobre título de cidadania. O Espírito Santo não é uma ilha e todos aqueles e aquelas que lutam por uma democracia merecem sim um título de cidadania”, defendeu.

Feminicídio

Já a deputada Janete de Sá (PMN) usou a tribuna para lembrar agenda da Frente Parlamentar da Mulher na quinta-feira (13) que discutirá os índices de feminicídio no estado. “As mulheres não aguentam mais serem saco de pancadas. Questiono-me como o nosso estado está colocado em 4º lugar nos índices de feminicídio no País? Por que um estado que diminui os números de homicídio, mas cresce os referentes à violência contra mulher?”, colocou.

Para Janete de Sá, é preciso aprofundar sempre o debate, principalmente sobre a questão do machismo que seria a causa preponderante neste cenário.

Mantido veto parcial a PL sobre pesagem de produtos
Estabelecimentos ficam desobrigados a destacar funcionário para conferir peso, mas deverão disponibilizar balança para uso do consumidor  
Descartáveis: semana para debater uso zero
Emílio Mameri sugere que data sirva para esclarecer impactos causados por esses produtos
Personal poderá ter livre acesso às academias
PL do Delegado Danilo Bahiense acaba com cobrança de taxas por parte dos alunos e educadores físicos
Doenças raras: diagnóstico tardio e custo do tratamento são entraves
Presidente de associação de apoio aos pacientes, Cristiane Alvarenga, defende criação de centro de referência para atendimento aos pacientes
Mantido veto parcial a PL sobre pesagem de produtos
Estabelecimentos ficam desobrigados a destacar funcionário para conferir peso, mas deverão disponibilizar balança para uso do consumidor  
Descartáveis: semana para debater uso zero
Emílio Mameri sugere que data sirva para esclarecer impactos causados por esses produtos
Personal poderá ter livre acesso às academias
PL do Delegado Danilo Bahiense acaba com cobrança de taxas por parte dos alunos e educadores físicos