Ales homenageia projetos de extensão da Ufes

Sessão solene reconheceu a importância de 22 iniciativas nas áreas social, econômica, esportiva e cultural

Por Wanderley Araújo

Solene em comemoração ao Dia Internacional do Estudante
Sessão solene destacou importância dos projetos de extensão das universidades para a comunidade / Foto: Lissa de Paula

Alunos da extensão da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) que desenvolvem projetos que prestam serviços à sociedade foram homenageados pelo Legislativo Capixaba na noite desta sexta-feira (22). A sessão solene proposta pelo deputado Gandini (Cidadania), em alusão ao Dia Internacional dos Estudantes (17 de novembro) reconheceu a importância de 22 iniciativas em variados segmentos, abrangendo as áreas social, econômica, esportiva e cultural.

Confira a galeria de fotos da solene

Um das ações contempladas com certificados envolve a integração de dois programas: o Solaris e o Girassol, e aborda a temática da energia solar.

Integrante dos dois projetos, o estudante do curso de engenharia elétrica da Ufes, Jhemes Parma, explicou que o Solares envolve uma estação de energia composta de placas fotovoltaicas e de equipamentos que servem de demonstração de como o sistema funciona.

“Temos recebido a visita de muitas pessoas, de dentro e de fora da Ufes, que estão se conscientizando sobre a importância dessa fonte alternativa de energia”, contou.

Jhemes pontuou que o projeto Girassol é um reforço do Solares, pois faz a divulgação em várias escolas capixabas sobre a importância da energia solar e convida os alunos a conhecerem a estação fotovoltaica montada na Ufes.

O reitor da Ufes, Reinaldo Centoducatti, disse que a instituição tem cerca de 700 projetos de extensão, com iniciativas que beneficiam os 78 municípios capixabas.

Ele destacou entre essas ações programas de combate ao câncer de pele, de apoio psicológico a crianças e adolescentes e também dependentes químicos, e ações nas áreas de arquitetura, saúde bucal, cidadania digital e enfrentamento de violência contra minorias sociais.

Críticas ao ministro

Em sua fala na tribuna, Centoducatti se manifestou sobre comentário do ministro da Educação, Abraham Weintraub, sobre possível cultivo de drogas dentro das universidades brasileiras consentido pelas instituições. Centoducatti disse que o ministro tem de ser acionado judicialmente por fazer graves acusações “sem provas”.

Ele acrescentou que a homenagem da Assembleia Legislativa aos alunos da Ufes em reconhecimento aos relevantes projetos na área de extensão contradiz o “ódio” do ministro contra as universidades e reflete o que acontece de fato nas universidades federais.

“Como reitor da Ufes não poderia me calar e deixar de manifestar o meu repúdio contra essa fala irresponsável de um ministro que não gosta do meio acadêmico, que tem ódio contra o ensino superior no Brasil”, protestou.

O proponente da sessão, deputado Gandini, também lamentou as declarações de Weintraub, e disse que promover um evento na Casa trazendo para o Plenário alunos e professores da Ufes servia de desagravo.  

Especificamente sobre o objetivo da sessão solene, o deputado acrescentou que foi uma forma de enaltecer e dar visibilidade às ações importantes que a Ufes desenvolve na área da extensão, por meio dos professores e alunos, na semana em que se comemora o Dia Internacional dos estudantes.

Reação ao nazismo

O Dia Internacional dos Estudantes, celebrado em 17 de novembro, remete a data em que, no ano de 1939, um grupo de estudantes da antiga Tchecoslováquia reagiu contra tropas nazistas que invadiram o país durante a Segunda Guerra Mundial. Vários dirigentes estudantis foram assassinados e outros levados para campos de concentração, onde sofreram torturas.

A data foi instituída em 1941, em Londres, através da iniciativa do Conselho Internacional de Estudantes, como uma homenagem ao trágico episódio dos estudantes que foram assassinadas durante a Segunda Guerra Mundial pelos nazistas, numa universidade da antiga Tchecoslováquia.

Projetos homenageados

  1. Atenção à Saúde Mental de Crianças e Adolescentes
  2. Brinquedoteca: Aprender Brincando 
  3. Cátedra Sérgio Vieira de Mello na Ufes
  4. Centro de Estudos e Pesquisas sobre o Álcool e outras Drogas (Cepad)
  5. Coletivo Caleidoscópio 
  6. Comunicaê - Educação para a Mídia 
  7. Cuidadores que dançam 
  8. Estação Solares
  9. FORDAN: Cultura no enfrentamento às violências
  10. Grupo Andora
  11. Laboratório de Pesquisas sobre Violência contra a Mulher no Espírito Santo (LAPVIM)
  12. Museu de Ciências da Vida
  13. Núcleo de Cidadania Digital (NCD)
  14. Pequenos Negócios, Grandes Mulheres
  15. Prática Pedagógica de Educação Física Adaptada para Pessoas com Deficiência 
  16. Programa de Assistência Dermatológica e Cirúrgica ao Câncer de Pele dos Lavradores do Interior do Estado do Espírito Santo
  17. Projeto Engenheiro sem Fronteiras
  18. Projeto Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo - Célula Emau
  19. Projeto Girassol
  20. Projeto Introcomp – Introdução à Computação
  21. Sorriso do futuro
  22. Universidade Aberta à Pessoa Idosa (Unapi)
Deputados: Gandini
Nova lei obriga notificar casos de violência
De iniciativa da deputada Janete de Sá, norma entrou em vigor nesta quarta-feira com a publicação no Diário Oficial do Estado.
País é campeão em transtorno de ansiedade
Afirmação é do presidente da Associação Psiquiátrica da América Latina, Antônio Geraldo da Silva
Deputados criticam código penal e desigualdade judicial
Pazolini defendeu que Congresso Nacional deveria rever o sistema punitivo do “prende e solta”
Urgência: teste de Covid-19 em sangue de doador
Iniciativa agora está apta para ser analisada na Ordem do Dia da próxima sessão plenária
Nova lei obriga notificar casos de violência
De iniciativa da deputada Janete de Sá, norma entrou em vigor nesta quarta-feira com a publicação no Diário Oficial do Estado.
País é campeão em transtorno de ansiedade
Afirmação é do presidente da Associação Psiquiátrica da América Latina, Antônio Geraldo da Silva
Deputados criticam código penal e desigualdade judicial
Pazolini defendeu que Congresso Nacional deveria rever o sistema punitivo do “prende e solta”