Servidor estadual pagará alíquota de 14%

Projeto de Lei Complementar que define nova alíquota da contribuição mensal dos servidores foi apoiado por 18 votos contra 9

Por Marcos Bonn

Painel eletrônico
PLC foi aprovado por 18 votos a 9 em sessão extraordinária na noite desta segunda (25) / Foto: Tati Beling

Os deputados aprovaram, em sessão extraordinária na noite desta segunda-feira (25), nova alíquota previdenciária para servidores públicos estaduais - que passará de 11% para 14%. A mudança foi proposta pelo governo do Estado por meio do Projeto de Lei Complementar (PLC) 59/2019 e foi acatada por 18 votos a favor e 9 contrários. O PLC segue para análise e sanção do governador do Estado, Renato Casagrande (PSB).

A matéria foi analisada conjuntamente pelas comissões de Justiça, Cidadania e Finanças. O relator, deputado Marcelo Santos (PDT), apresentou parecer pela constitucionalidade, rejeitando emendas apresentadas pelo Delegado Lorenzo Pazolini (sem partido), Iriny Lopes (PT), Vandinho Leite (PSDB) e Sergio Majeski (PSB).

Confira as fotos das sessões plenárias desta segunda (25)

As alterações propostas por Pazolini e Iriny Lopes propunham aumento escalonado na cobrança das alíquotas. De acordo com o primeiro, uma medida de transição seria necessária para que os servidores pudessem se adequar à redução salarial, já que até o momento “não há nada de oficial” que trate do reajuste de 3,29% anunciado pelo governo.

Vandinho Leite defendeu essa transição e apresentou emenda oral por meio da qual a alíquota previdenciária seria cobrada seguindo a faixa salarial, uma maneira, conforme disse, de tratar diferente quem recebe menos. “A conta que o governo teria nesse caso para fechar a previdência seria a mesma do que essa de 14% para todos”.

No entanto, o líder do governo, Enivaldo dos Anjos (PSD), alegou que esse aumento poderia impactar quem ganha salários mais altos, como promotores e auditores, que já pagam 27,5% de imposto de renda. “Se tiver que pagar mais previdência, evidentemente, vai quase nos 50%”, ponderou. Conforme disse, o percentual encontrado “sacrifica todo mundo”.

Assim como outros colegas, Majeski condenou a tramitação em regime de urgência. Para ele, “beira o absurdo” aprovar a matéria em intervalo de uma semana. O parlamentar cobrou números que expliquem a alíquota de 14%. Segundo avaliou, os servidores sabem da necessidade de aprovação da reforma, mas a maneira “açodada” como foi feita levanta dúvidas sobre o que estaria sendo discutido.

Além disso, defendeu sua emenda, que previa a formação de uma comissão composta de órgãos e Poderes do Estado para apresentar em um prazo de 180 dias estudos para legitimar ou revisar o que foi apresentado pelo Estado. Já Carlos Von (Avante) destacou que o PLC é inconstitucional com base no que aconteceu no Rio de Janeiro – lá, matéria parecida acabou sendo barrada pelo Judiciário, classificada como “confisco”, explicou.

Ainda na noite desta segunda-feira (25) os deputados aprovaram, em 2º turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 27/2019, que altera a idade de aposentadoria de servidores públicos estaduais. A PEC foi aprovada pelo mesmo placar do PLC 59, com 18  votos favoráveis e 9 contrários.

Descartáveis: semana para debater uso zero
Emílio Mameri sugere que data sirva para esclarecer impactos causados por esses produtos
Personal poderá ter livre acesso às academias
PL do Delegado Danilo Bahiense acaba com cobrança de taxas por parte dos alunos e educadores físicos
Doenças raras: diagnóstico tardio e custo do tratamento são entraves
Presidente de associação de apoio aos pacientes, Cristiane Alvarenga, defende criação de centro de referência para atendimento aos pacientes
Reaproveitamento do plástico em debate
Evento abordou a importância de tratar a reciclagem com viés econômico
Descartáveis: semana para debater uso zero
Emílio Mameri sugere que data sirva para esclarecer impactos causados por esses produtos
Personal poderá ter livre acesso às academias
PL do Delegado Danilo Bahiense acaba com cobrança de taxas por parte dos alunos e educadores físicos
Doenças raras: diagnóstico tardio e custo do tratamento são entraves
Presidente de associação de apoio aos pacientes, Cristiane Alvarenga, defende criação de centro de referência para atendimento aos pacientes