Saneamento na Serra é pauta em comissão

Problemas como entupimentos e demora na resolução de demandas foram apontados por lideranças do município em reunião do colegiado de Meio Ambiente

Por João Caetano Vargas

Imagem de tela com slide ao fundo e imagem de Justino Brunelli no canto inferior direito
Presidente da Ambiental Serra, Justino Brunelli (detalhe) falou sobre metas do contrato de PPP / Foto: Kebim Tamanini

Representantes da Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan) e da empresa Ambiental Serra participaram da reunião virtual da Comissão de Meio Ambiente, nesta quarta-feira (7), para prestar esclarecimentos sobre o Sistema de Saneamento Estadual, destacando as ações executadas e planejadas para o município de Serra. Entre os principais questionamentos, queixas de demora no atendimento prestado pela empresa no município para a resolução dos casos de entupimento da rede de esgoto.

Entupimentos

Logo na abertura dos trabalhos, a palavra foi franqueada ao vereador do município, Anderson Muniz (Podemos), que questionou aos convidados sobre a questão dos entupimentos e transbordamentos de esgoto na cidade. “Tenho acompanhado a situação dos transbordamentos de esgoto, são inúmeros os extravasamentos que nós temos encontrado. Ainda é muito devagar o atendimento do serviço, o que deveria ser resolvido em 24 horas, muitas vezes fica de quatro a cinco dias o esgoto vazando e indo parar nas unidades de conservação”, apontou.

A gestão do esgotamento sanitário do município é feita por meio de uma parceria público privada (PPP) entre a Cesan e a empresa Ambiental Serra. O presidente da empresa, Justino Brunelli, falou sobre a questão dos transbordamentos. “Hoje a gente realiza em Serra aproximadamente 2 mil desobstruções na rede de esgoto por mês. A grande maioria dos casos são causados, infelizmente, pelo descarte de lixo e a gordura. O óleo de cozinha, quando é descartado na tubulação, ele vira uma pedra dentro da rede. Então ele deixa de ser aquela coisa oleosa e passa a ser um objeto sólido que de fato entope a tubulação”, explicou.

O gestor também falou sobre as eventuais demoras na desobstrução. “Uma outra situação que a gente acaba tendo é quando ocorre o vazamento e a gente não é informado. A gente tem os colaboradores rodando a cidade, tem o auxílio muito importante das lideranças e dos vereadores no apontamento desses casos. Mas alguns acabam escapando porque a pessoa acha que alguém já ligou e aí acaba que o vazamento de esgoto ocorre por vários dias e a gente não é informado, via o sistema da Cesan que é o 115 (telefone), para que a gente possa proceder à desobstrução", justificou.

Ainda em relação ao prazo de atendimento, Justino explica que a empresa vem tentando tornar o atendimento mais eficiente. “Hoje, a empresa, por força do contrato, tem 24 horas para realizar a desobstrução do esgoto. Logicamente que a gente não quer isso, porque 24 horas com o esgoto vazando na frente da casa da gente incomoda demais. A gente trabalha para reduzir esse prazo. O prazo médio nosso é cerca de 13 horas, mas como toda média, tem caso que extrapola e tem caso que a gente consegue atender de forma mais rápida”, comentou o gestor.

Metas contratuais

O palestrante falou também sobre as metas contratuais da Ambiental Serra com a Cesan. “A principal meta do contrato é atingir 95% de cobertura de esgoto até 2023, ou seja, disponibilizar rede para coleta do esgoto. Hoje Serra já tem quase 90% de rede disponível. Isso não significa esgoto tratado, tem uma segunda etapa que é a adesão dos imóveis à rede de esgoto. No estado, Serra só fica atrás de Vitória. Nós temos já mil quilômetros de esgoto em Serra e faltam 200 quilômetros para terminar essa universalização”, anunciou.

A adesão da rede coletora também é uma meta, conseguir 95% dos imóveis ligados à rede de esgoto até 2029 é outra previsão contratual. “Hoje a gente tem um total de 15 mil imóveis que têm rede coletora e não se ligaram ainda ao sistema. Para isso a gente conta com a ajuda da prefeitura, da Secretaria de Meio Ambiente. A gente tem um convênio para conseguir auxiliar a prefeitura a desempenhar esse papel que é responsabilidade dela, que tem o poder de polícia para poder notificar esses usuários para que eles se liguem na rede coletora”, ressaltou.

O deputado Gandini (Cidadania) participou da reunião e trouxe dados do Ranking Trata Brasil, referência no tratamento de esgoto no país, apontando que o município de Serra caiu da 41ª para 51ª posição, do ano passado para este ano. O parlamentar também questionou a Cesan sobre a responsabilidade da cobertura na região de Eurico Salles. “Eu queria saber da Cesan qual é a decisão. Vai ser colocado na concessão que vocês fizeram na Serra ou a Cesan vai assumir e fazer o investimento que é necessário na região?”, questionou o deputado.

Representando a Cesan, o gerente da Unidade Gestora de PPP da companhia, Douglas Oliveira Couzi explicou que a Serra Ambiental vai assumir a concessão. “Os seis bairros, que é o chamado Sistema Eurico Salles, ficaram de fora da concessão. Então a Cesan que vinha dando manutenção nesses bairros até então. Foi aprovado na última terça-feira (30 de março), no Conselho de Administração da Cesan, após passar pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) e após ser aprovado em plenário no Tribunal de Contas do Estado (TCE-ES), o termo aditivo que autoriza a Cesan estar passando esses seis bairros para a Serra Ambiental”, esclareceu.

O gestor explicou que essa concessão começa a valer a partir do próximo dia 15 de abril. “Eles pediram um prazo de 15 dias para iniciar a mobilização, pra tanto começar a operar e dar manutenção e ampliação nesses seis bairros, como a parte comercial de todo o restante do município de Serra. Isso demonstra o compromisso que a Cesan tem com o saneamento da Região Metropolitana, no intuito de avançar para a universalização antes da previsão legal do Novo Marco do Saneamento, que prevê que essa universalização ocorra até 2033”, afirmou.

A reunião foi proposta e conduzida pelo deputado Bruno Lamas (PSB). O parlamentar entende que uma das causas do problema que o município de Serra enfrenta com saneamento hoje é culpa do crescimento desordenado da cidade nas últimas décadas. Porém, o deputado lamenta o fato de muitas casas já estarem aptas a fazer a ligação à rede coletora e ainda não o terem feito. “15 mil imóveis lançando o esgoto nos mananciais por conta de meio metro de cano, um metro e meio. Eu entendo o desafio, mas é um apelo que faço. É um tema que precisamos de sugestões, mas precisamos de recurso para isso”, finalizou. 

First slide
First slide
First slide
First slide
First slide
First slide
Majeski quer transparência sobre situação de escolas
Medida prevê que o Executivo estadual publique no Portal da Transparência dados sobre estrutura física das unidades de ensino
Maio Amarelo: direção defensiva pode salvar vidas
Diretora técnica do Detran-ES, Édina de Almeida Poleto, explica como atitudes preventivas podem ser determinantes na redução de acidentes de trânsito
Arcelor apresenta ações na área ambiental
Representante da siderúrgica disse à Comissão de Meio Ambiente que até 2023 todas as metas propostas no Termo de Compromisso Ambiental (TAC) serão cumpridas
Baixado de pauta PL sobre vacina para policial penal
Com a manobra, espera-se debater com o Executivo a proposta, que inclui também a imunização de servidores do Iases 
Majeski quer transparência sobre situação de escolas
Medida prevê que o Executivo estadual publique no Portal da Transparência dados sobre estrutura física das unidades de ensino
Maio Amarelo: direção defensiva pode salvar vidas
Diretora técnica do Detran-ES, Édina de Almeida Poleto, explica como atitudes preventivas podem ser determinantes na redução de acidentes de trânsito
Arcelor apresenta ações na área ambiental
Representante da siderúrgica disse à Comissão de Meio Ambiente que até 2023 todas as metas propostas no Termo de Compromisso Ambiental (TAC) serão cumpridas