Projeto cria Microrregião de Águas e Esgoto

Medida do governo estadual cumpre exigência do Marco Regulatório do Saneamento Básico

Por Marcos Bonn, com edição de Angèle Murad | Atualizado há 3 meses

Funcionários da Cesan cavam buraco com escavadeira em avenida; ao fundo navio e o morro do Penedo
Segundo o Executivo, estados têm até 15 de julho para definir regionalização / Foto: Cesan

O Projeto de Lei Complementar (PLC) 11/2021, lido na sessão ordinária desta quarta-feira (7), institui a Microrregião de Águas e Esgoto no Espírito Santo. Segundo o Executivo, a medida atende a uma exigência feita pelo novo Marco Regulatório do Saneamento Básico (MRSB), que foi aprovado em 2020 e dá aos estados prazo até o próximo 15 de julho para criarem sua regionalização. A proposta recebeu despacho para tramitar nas comissões de Justiça, Saneamento, Infraestrutura e Finanças. E teve o requerimento de urgência aprovado pelo Plenário após questionamento de parlamentares

Segundo o governador Renato Casagrande (PSB), a proposta “não retira ou transfere a titularidade dos municípios para a prestação dos serviços de saneamento básico”, mas “institui uma autarquia intergovernamental que será responsável pela governança, objetivando a universalização dos serviços de tratamento de água e esgoto e cumprimento das metas definidas no Novo Marco Regulatório”.

As deliberações, descreve a justificativa da matéria, ficarão a cargo de órgãos colegiados que terão a participação do governo do Estado e todos os 78 municípios capixabas, além da sociedade civil.

O PLC visa à implantação de uma única microrregião no Espírito Santo, conforme o Executivo, “por se tratar de um estado de pequenas dimensões” e também devido ao fato de o marco regulatório exigir “ganhos de escala para dar viabilidade técnica e econômico-financeira às regiões instituídas”. Para o governo, a divisão em mais de uma região inviabilizaria a medida.

Objetivo e estrutura

A Microrregião de Águas e Esgoto terá, entre outros, objetivos como aprovar metas de interesse regional e apreciar planos, projetos e programas públicos ou privados relativos à realização de obras. 

A estrutura de governança se dará pelo Colegiado Regional - entidade máxima da autarquia-, que será presidido pelo governador e terá a participação do prefeito de cada cidade da região (ou indicado por ele) e de membro do Executivo. 

Há também o Comitê Técnico, composto por três representantes do Estado e por oito municipais; Conselho Participativo, que terá nove membros da sociedade civil, um dos sindicatos e um da Federação das Associações de Moradores e Movimentos Populares do Espírito Santo (Famopes). Está prevista também a criação do cargo de secretário-geral.

O texto descreve as atribuições para cada um dessas entidades deliberativas, com destaque para o Colegiado Regional, que, além de eleger o secretário-geral, terá o poder de autorizar a prestação direta ou indireta de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário no município sem prejudicar a microrregião, entre outros.

Já o Comitê Técnico terá a finalidade de criar câmaras temáticas, apreciar com antecedência as matérias que constam na pauta das reuniões do Colegiado Regional e assegurar a manifestação do Conselho Participativo, órgão que, por sua vez, terá, entre outras, a prerrogativa de convocar audiências públicas para debater matérias dentro de sua atuação. 

O PLC cria ainda duas Câmaras Técnicas temáticas temporárias, uma de prestação regionalizada e outra de prestação direta ou delegada. Ambas terão representação paritária do Estado e do município.

De acordo com a proposição, o Estado e os municípios poderão localizar servidores para atuar na autarquia intergovernamental, sem prejuízo na remuneração e demais vantagens. 

Confira as principais emendas propostas por parlamentares ao PLC 11/2021

Plenário faz extra para votar remuneração de professor
Também na pauta estão outros dois projetos do Executivo, sobre limite de municípios e atuação da Procuradoria-Geral do Estado junto à Junta Comercial
Servidoras da segurança são homenageadas
Mulheres que trabalham nas polícias Civil e Militar e no Corpo de Bombeiros receberam homenagem em sessão solene
Magistério deve ter nova tabela remuneratória
Proposta do Executivo também traz mudanças na lei que trata da progressão de profissionais da educação
Fundo Cidades: Ales sinaliza apoio a municípios
Para o vice-presidente da Amunes, prefeito Luciano Pingo, repasse fundo a fundo torna mais rápida transferência de recursos necessários para demandas municipais
Plenário faz extra para votar remuneração de professor
Também na pauta estão outros dois projetos do Executivo, sobre limite de municípios e atuação da Procuradoria-Geral do Estado junto à Junta Comercial
Servidoras da segurança são homenageadas
Mulheres que trabalham nas polícias Civil e Militar e no Corpo de Bombeiros receberam homenagem em sessão solene
Magistério deve ter nova tabela remuneratória
Proposta do Executivo também traz mudanças na lei que trata da progressão de profissionais da educação