Mameri sugere política para população migrante

Matéria lista os objetivos e princípios da iniciativa, além das diretrizes de atuação do poder público para a inclusão social e laboral

Por Marcos Bonn, com edição de Angèle Murad

Na rua, mulher olha produtos oferecidos por casal em mesa coberta por bandeira síria
O acesso igualitário a programas sociais está entre os princípios que devem nortear política pública / Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Por meio do Projeto de Lei (PL) 361/2021, o deputado Dr. Emílio Mameri (PSDB) quer instituir a Política Estadual para a População Migrante. A matéria lista os objetivos e princípios da iniciativa, além das diretrizes de atuação do poder público. A preocupação do autor é promover acolhimento e integração desses indivíduos, incluindo refugiados, à sociedade capixaba.

A política visa, entre outros pontos, a garantia de acesso aos direitos fundamentais e desenvolvimento do respeito à interculturalidade. Para isso, traz 11 princípios, tais como a regularização da situação do migrante, o respeito a tratados internacionais de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário e o acesso igualitário a serviços e programas sociais.

Nesse sentido, o poder público terá atribuições que incluem a identificação do migrante e a agilidade na emissão de documentos. Também deverá trabalhar na prevenção e notificação de casos de violação de direitos, sobretudo o trabalho escravo, tráfico e contrabando de pessoas, xenofobia, exploração sexual, racismo e agressões físicas e ameaças, entre outras diretrizes.

Além disso, um canal para receber denúncias dessas pessoas em casos de discriminação ocorridos em estabelecimentos públicos deverá ser disponibilizado. O PL também prevê a formação de conselheiros tutelares, de servidores da assistência social e da rede de ensino e de mediadores culturais para prestar atendimento qualificado a esse grupo.

O projeto trata como prioritário ações para garantir acesso à saúde, educação e assistência social e trabalho decente, valorizando a diversidade cultural, entre outros aspectos.

Justificativa

Na justificativa do texto, Mameri destaca que os migrantes representam “contingente expressivo” na sociedade. Diante disso, propõe a adoção de uma política que facilite a inclusão social e laboral, além de uma vida digna. Conforme o deputado, a integração deles favorece a região na qual se fixaram, pois “representam mão de obra, geram empregos, consomem e pagam tributos”.

Conforme o autor, lei parecida já foi aprovada em outros estados. O parlamentar defende a constitucionalidade da matéria, que versa sobre tema de legislação concorrente, não atinge o funcionamento do Executivo e não gera despesas. “O projeto de lei em questão traz uma abordagem humanista aos migrantes, tendo como base a dignidade da pessoa humana”, conclui.

Tramitação

O PL 361/2021 deve receber parecer das comissões de Justiça, Cidadania e Finanças antes de ser analisado pelo Plenário.

Plenário faz extra para votar remuneração de professor
Também na pauta estão outros dois projetos do Executivo, sobre limite de municípios e atuação da Procuradoria-Geral do Estado junto à Junta Comercial
Servidoras da segurança são homenageadas
Mulheres que trabalham nas polícias Civil e Militar e no Corpo de Bombeiros receberam homenagem em sessão solene
Magistério deve ter nova tabela remuneratória
Proposta do Executivo também traz mudanças na lei que trata da progressão de profissionais da educação
Fundo Cidades: Ales sinaliza apoio a municípios
Para o vice-presidente da Amunes, prefeito Luciano Pingo, repasse fundo a fundo torna mais rápida transferência de recursos necessários para demandas municipais
Plenário faz extra para votar remuneração de professor
Também na pauta estão outros dois projetos do Executivo, sobre limite de municípios e atuação da Procuradoria-Geral do Estado junto à Junta Comercial
Servidoras da segurança são homenageadas
Mulheres que trabalham nas polícias Civil e Militar e no Corpo de Bombeiros receberam homenagem em sessão solene
Magistério deve ter nova tabela remuneratória
Proposta do Executivo também traz mudanças na lei que trata da progressão de profissionais da educação