Doação de órgãos: recusa de famílias é desafio

Comissão de Saúde debateu sobre o Setembro Verde, mês de conscientização sobre a importância da doação de órgãos para salvar vidas

Por Silvia Magna, com edição de Titina Cardoso

Deputados da comissão de costas e convidados ao fundo
No último ano, 57% das famílias capixabas recusaram doar órgãos de entes falecidos / Foto: Ana Salles

Setembro é o mês dedicado à conscientização sobre a importância de doar órgãos e um dos maiores desafios para quem espera na fila dos transplantes é a recusa das famílias. A afirmação é da coordenadora da Central Estadual de Transplantes, Maria dos Santos Machado, que apresentou a situação para a Comissão de Saúde durante reunião desta terça-feira (14).

A gestora informou que a pandemia do novo coronavirus agravou a situação e explicou que, nos últimos dois anos, a resistência dos capixabas aumentou consideravelmente. Em 2019, segundo Machado, 59% dos entrevistados no Espírito Santo não permitiram que outras pessoas recebessem córneas, fígado, rim, pulmão ou coração de parentes falecidos. No Brasil, esse total não passou de 42%. No último ano, a média nacional fechou em 36% contra 57% no estado. 

Ela afirmou que a lista de espera no estado conta com 1.537 pessoas e, até agosto de 2021, foram realizadas 62 entrevistas das quais 29 resultaram em negativas e apenas 23 doadores foram efetivamente captados. 

“É um momento delicado, considerando que a família enfrenta impacto emocional que gera resistência, por causa de sua perda, dificultando a tomada de decisão. Há desconhecimento da vontade prévia do  potencial doador; dúvidas com relação ao diagnóstico, desconhecimento familiar do sistema de alocação, entrevista familiar inadequada, dificuldades com a equipe hospitalar que assistiu ao doente, motivação religiosa, mitos e desejo de sepultar o corpo íntegro”, declarou. 

Veja as fotos da reunião

Humanização do atendimento

Transplantado há sete anos, o subsecretário de Estado da Saúde, José Tadeu Marino, abordou a necessidade de criar mais políticas públicas que fomentem a cultura do transplante e de priorizar investimentos em acolhimento e humanização da rede pública de saúde. 

“A espera é muito ruim tanto para o paciente quanto para a família. Quem está na fila de transplante sabe quais são as probabilidades que enfrenta e a família sofre demais! É fundamental investir maciçamente em equipes cada vez mais qualificadas para que as pessoas sintam que não são procuradas apenas para serem doadoras”, disse o gestor. 

O vice-presidente do colegiado, deputado Dr. Emílio Mameri (PSDB), acredita que a humanização do atendimento é uma das ferramentas necessárias para melhorar o sistema de saúde. “ Se a pessoa não é bem recebida, acolhida, ela já entra em estado de defesa contra a instituição. Se melhorarmos o atendimento, teremos mais facilidade de desenvolver esse trabalho”, pontuou Mameri. 

Setembro Verde

O presidente da Comissão de Saúde, deputado Doutor Hércules (MDB) é o autor da Lei 10.374/2015, que institui o “Setembro Verde” como mês de conscientização sobre a doação de órgãos. A escolha do mês levou em conta o Dia Nacional da Doação de Órgãos e Tecidos, celebrado em 27 de setembro. O objetivo é conscientizar sobre a importância da doação, derrubar preconceitos estabelecidos na população e ainda estimular políticas públicas. 

“As pessoas deixam de doar por falta de informação adequada. Temos que investir em campanhas de conscientização e esclarecer que doar os órgãos de um ente querido é um ato que salva muitas vidas. Avise a sua família”, disse o deputado. 

Hospitais 

O Espírito Santo conta com sete centros habilitados para a realização de transplante, sendo cinco deles conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) e quatro particulares: 

  • Hospital Meridional: coração, fígado e rins;
  • Hospital Evangélico de Vila Velha: coração, rim e córnea;
  • Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam): córnea;
  • Centro de Cirurgia Ocular do Espírito Santo (Cecoes): córnea (procedimento por convênio particular);
  • Instituto de Olhos do Espírito Santo (IOES): córnea (procedimento por convênio particular);
  • Instituto Oftalmológico Santa Luzia: córnea (procedimento por convênio particular);
  • Hospital Mata da Praia: córnea (procedimento por convênio particular).

O Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam) e o Hospital Evangélico de Vila Velha realizam captação de córneas na Grande Vitória e no interior.  
 

Comissões: Saúde
Plenário faz extra para votar remuneração de professor
Também na pauta estão outros dois projetos do Executivo, sobre limite de municípios e atuação da Procuradoria-Geral do Estado junto à Junta Comercial
Servidoras da segurança são homenageadas
Mulheres que trabalham nas polícias Civil e Militar e no Corpo de Bombeiros receberam homenagem em sessão solene
Magistério deve ter nova tabela remuneratória
Proposta do Executivo também traz mudanças na lei que trata da progressão de profissionais da educação
Fundo Cidades: Ales sinaliza apoio a municípios
Para o vice-presidente da Amunes, prefeito Luciano Pingo, repasse fundo a fundo torna mais rápida transferência de recursos necessários para demandas municipais
Plenário faz extra para votar remuneração de professor
Também na pauta estão outros dois projetos do Executivo, sobre limite de municípios e atuação da Procuradoria-Geral do Estado junto à Junta Comercial
Servidoras da segurança são homenageadas
Mulheres que trabalham nas polícias Civil e Militar e no Corpo de Bombeiros receberam homenagem em sessão solene
Magistério deve ter nova tabela remuneratória
Proposta do Executivo também traz mudanças na lei que trata da progressão de profissionais da educação