Termelétrica de Linhares pode ficar de fora de leilão

Segundo Marcelo Santos, participação no certame federal depende de extensão do contrato com a Petrobras

Por João Caetano Vargas, com edição de Angèle Murad

Marcelos Santos sentado atrás de mesa com microfone e dispenser de alcóol
Em discurso na sessão, Marcelo disse que estaria havendo boicote por parte da Petrobras / Foto: Ana Salles

De acordo com a Portaria Normativa 20/2021, publicada pelo Ministério de Minas e Energia (MME), será realizado no dia 21 de dezembro leilão para a contratação de potência elétrica e de energia associada. O objetivo é garantir a continuidade de fornecimento de energia elétrica por meio do Sistema Interligado Nacional (SIN), a partir da contratação de centrais termelétricas novas e já existentes. Com o objetivo de assegurar a participação da Usina Termelétrica de Linhares no certame, o vice-presidente da Casa, deputado Marcelo Santos (Podemos), fez um pronunciamento durante a sessão ordinária híbrida desta quarta-feira (15).

A preocupação do parlamentar se justifica pelo fato de a usina depender da extensão do contrato de fornecimento de gás para a Petrobras para poder permanecer operando em novas bases comerciais de gás natural liquefeito (GNL). “A Termelétrica Linhares é a única a gás do nosso estado. Gera benefício de segurança elétrica e energética. É um importante contrato para a ES Gás, controlado pelo Estado, além de contribuir para a redução das tarifas de energia elétrica e de gás natural aqui do nosso estado”, afirmou.

O deputado disse que a estrutura já está toda preparada para o empreendimento, mas que depende da extensão de contrato. “Linhares já é atendida pela Petrobras e conta com toda infraestrutura prontinha. Qualquer mudança pode inviabilizar a continuidade da única termelétrica a gás natural no nosso estado. Por isso, existe um pleito de extensão de contrato de suprimento. O novo mercado de gás ainda não existe, sendo o Estado do Espírito Santo dependente da infraestrutura da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) e dos terminais de GNL da Petrobrás (Rio de Janeiro e Bahia)”, explicou.

A preocupação do parlamentar é que haja desmobilização da usina caso o pleito não seja atendido. “Enquanto o Rio de Janeiro tem 7,5 mil megawatts de termelétrica de gás natural, incluindo o complexo de Açu e Macaé, em fase final de obras, sendo 3 mil megawatts da Petrobras, o Espírito Santo tem apenas 200 megawatts de Linhares para sua segurança. Logo, torna o pleito justo e necessário, pois, caso o contrato não seja estendido até 2025, a termelétrica corre o risco de ser desmobilizada”, alertou.

Marcelo acredita que a empresa esteja sofrendo um boicote por parte da Petrobras. “A Petrobras não está fornecendo (o contrato) de forma covarde, para beneficiar algumas outras. E aí eu quero dizer que, se a Petrobras não fizer essa carta para a Termelétrica de Linhares, nós aqui da Assembleia, apresentaremos um projeto alterando o valor de gás para ser fornecido pra Petrobras, porque ela faz a captação aqui no Espírito Santo. E quem gera a operação de gás natural no Espírito Santo é uma empresa pública do governo do Estado, que nós aprovamos aqui a sua criação”, protestou o deputado.

Álbum de fotos da sessão ordinária

Impactos ambientais

O presidente da Comissão de Meio Ambiente, deputado Rafael Favatto (Patri), somou-se a Marcelo Santos no pleito e ressaltou a importância da utilização do gás natural em termelétricas para a redução de impactos ambientais. “Toda termelétrica é movida a carvão ou a gás natural. Tendo a oportunidade de ser movida a gás natural, o impacto ambiental, o aquecimento global, diminui muito no meio ambiente. Nós estamos sendo privados de ter uma termelétrica mais sustentável, com uma maior eficiência energética, visto que o gás é extraído aqui no Espírito Santo”, lamentou.

O parlamentar também falou sobre o preço da energia elétrica, frisando que a utilização do GNL propicia uma energia elétrica mais em conta. “Nós estamos na bandeira não é nem vermelha, chega a ser roxa, quase no nível extremo da cobrança da energia elétrica, que está cada vez mais cara. Nós temos a oportunidade de ter no estado uma termelétrica menos poluente, mais eficaz, com a geração de uma energia que agride menos o nosso meio ambiente, e nós estamos sendo impedidos pela Petrobras de levar à nossa população essa energia de qualidade”, finalizou.

O deputado do município de Linhares, Marcos Garcia (PV), agradeceu os colegas pelo apoio prestado. A deputada Iriny Lopes (PT) também comentou o assunto, sugerindo que as comissões de Infraestrutura e Meio Ambiente formem um grupo de trabalho para acompanhar o processo junto ao governo do Estado e à Petrobras. “Esse assunto é do interesse de todo o povo capixaba, tanto do ponto de vista do fornecimento, como do ponto de vista da qualidade”, pontuou a deputada. 
 

Solene homenageia defensores públicos
Sessão também foi marcada por reivindicações como melhorias estruturais, concursos e aumento no orçamento da instituição
Desabamento: Ales homenageia bombeiros
Ato foi em reconhecimento à equipe que, por 20 horas, trabalhou no resgate de vítimas de acidente ocorrido em Vila Velha, em abril
Bancos: regras de segurança serão alteradas
Proposta do governo aprovada pelos deputados adapta lei estadual à federal, contemplando cooperativas de crédito
Cariacica debate violência infantojuvenil
Foi proposto que municípios incluam em seus orçamentos recursos para construir rede integrada de atendimento
Solene homenageia defensores públicos
Sessão também foi marcada por reivindicações como melhorias estruturais, concursos e aumento no orçamento da instituição
Desabamento: Ales homenageia bombeiros
Ato foi em reconhecimento à equipe que, por 20 horas, trabalhou no resgate de vítimas de acidente ocorrido em Vila Velha, em abril
Bancos: regras de segurança serão alteradas
Proposta do governo aprovada pelos deputados adapta lei estadual à federal, contemplando cooperativas de crédito