Orçamento para 2022 é 7,25% maior que o deste ano

Estimativa é de R$ 20,3 bilhões, segundo projeto de lei encaminhado pelo Executivo à Assembleia Legislativa

Por Marcos Bonn, com edição de Angèle Murad | Atualizado há 11 meses

Moedas empilhadas e notas de reais, parte de calculadora e uma caneta
A equipe do governo projeta arrecadação maior para 2022 / Foto: Freepik

A proposta do Executivo para a Lei Orçamentária Anual (LOA) do exercício de 2022 foi protocolada, esta semana, na Assembleia Legislativa e deve ser lida em sessão plenária. O ato de leitura oficializa o início da tramitação da proposta na Casa. O Projeto de Lei (PL) 580/2021 estima as receitas e fixa as despesas para o ano que vem e prevê orçamento de R$ 20.273.774.984, referentes ao orçamento fiscal e de seguridade, e pouco mais de R$ 1 bi referente ao orçamento de investimento das empresas públicas, totalizando R$ 21.357.576.715 de orçamento global. O orçamento fiscal e de seguridade é 7,25% maior do que os R$ 18.902.292.466 projetados para o ano corrente.

Poderes e órgãos terão orçamentos corrigidos em 8,35% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Portanto, a Assembleia Legislativa (Ales) contará com R$ 203.838.009 de verba; Tribunal de Contas, R$ 150.589.405; Judiciário, R$ 1.091.842.237; Ministério Público, R$ 417.009.074; e Defensoria Pública, R$ 91.735.075 (veja qual foi o orçamento para 2021).

Esses valores já incluem os recursos para insuficiência financeira do Fundo Financeiro, que estão discriminados no projeto conforme modificações trazidas pela Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2022 (Lei 11.354/2021). O orçamento do Executivo será de R$ 18.318.761.184, também maior que o da LOA 2021.

Entre os maiores orçamentos está o destinado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), com R$ 2.958.072.079; seguida pela Secretaria de Estado da Educação (Sedu), 2.336.079.422; Secretaria de Segurança Pública (Sesp), R$ 1.736.869.212; e Secretaria de Mobilidade e Infraestrutura (Semobi), R$ 1.645.868.594.

A Lei Orçamentária Anual para 2022 estabelece R$ 14.738.539.133 em despesas correntes, montante menor que o projetado para o orçamento deste ano. Além disso, fixa R$ 2.789.232.863 para investimentos, valor maior do que o atual.

O anexo da peça orçamentária traz a evolução das receitas do Estado desde 2016, quando foram arrecadados R$ 16,2 bilhões. Em 2017 esse valor subiu para R$ 19,4 bi e em 2020 caiu para R$ 18,7 bi devido aos impactos da pandemia. A equipe do governo projeta arrecadação maior para 2022: R$ 19,4 bi frente aos R$ 18,9 bi projetados na LOA vigente. 

“Esta proposta orçamentária foi elaborada assumindo como diretrizes para 2022 o equilíbrio fiscal, o fortalecimento das políticas públicas e a celeridade na execução dos investimentos programados, zelando pelo cumprimento dos limites fixados na Lei de Responsabilidade Fiscal, observando os princípios da gestão fiscal transparente, eficiente e focada em resultados”, defende o governador Casagrande (PSB) na justificativa da matéria.

Bolsonaro é o preferido dos capixabas
O atual presidente obteve 52,23% dos votos computados contra 40,40% do ex-presidente Lula no estado; os dois vão disputar o segundo turno
Magno Malta é eleito para 3º mandato no Senado
Eleito com 41,95% dos votos válidos, Malta retorna ao Congresso nacional para representar o estado por oito anos
Câmara Federal tem cinco estreantes
Das 10 vagas reservadas ao Espírito Santo, cinco vão ser ocupadas por candidatos que nunca foram deputados federais
Meneguelli é o deputado mais votado da história
Ex-prefeito e ex-vereador de Colatina, Sérgio Meneguelli obteve 138.523 votos, superando a marca de Guerino Zanon, de 2006
Bolsonaro é o preferido dos capixabas
O atual presidente obteve 52,23% dos votos computados contra 40,40% do ex-presidente Lula no estado; os dois vão disputar o segundo turno
Magno Malta é eleito para 3º mandato no Senado
Eleito com 41,95% dos votos válidos, Malta retorna ao Congresso nacional para representar o estado por oito anos
Câmara Federal tem cinco estreantes
Das 10 vagas reservadas ao Espírito Santo, cinco vão ser ocupadas por candidatos que nunca foram deputados federais