Proposta faz adequações na lei do ICMS

Objetivo é formalizar regras para a cobrança do diferencial de alíquotas (Difal) entre os estados

Por Marcos Bonn, com edição de Angèle Murad

Proposta do Executivo visa adequar a legislação estadual do ICMS à Lei Complementar Federal 190/2022. Essa regra começou a valer em janeiro deste ano a fim de atender a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a regulamentação da cobrança do diferencial de alíquotas (Difal) para o consumidor final. O texto será analisado em caráter de urgência pelas comissões de Justiça e Finanças da Assembleia Legislativa (Ales). 

Segundo o gerente tributário da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), Hudson Carvalho, o Projeto de Lei (PL) 69/2022 não traz inovações, mas promove segurança jurídica no campo tributário. Anteriormente à LC 190/2022, as operações de Difal para o consumidor final estavam sendo regradas por meio de convênio firmado entre os estados, o que foi condenado pelo STF.

O Difal está em vigor desde 2015, amparado na Emenda Constitucional 87, e foi criado para evitar a guerra fiscal entre os Estados, proporcionando tratamento tributário mais igualitário, destaca Carvalho. 

Por exemplo, se um consumidor final capixaba compra uma impressora em um site carioca, quando o produto sair do Rio de Janeiro, a loja emitirá uma nota fiscal com alíquota interestadual de 7%, que ficará com aquele Estado. Nesse caso, o Espírito Santo, cuja alíquota interna é de 17%, ficará com 10% - o diferencial da alíquota interna menos a interestadual (17% - 7%). Esse percentual será recolhido pelo estabelecimento comercial.

De acordo com o gerente tributário da Sefaz, a partilha desse tributo foi uma medida encontrada para amenizar a diferença de arrecadação do ICMS de estados mais ricos em decorrência do aumento do comércio eletrônico no Brasil. Se o exemplo acima fosse simulado antes da criação do Difal em 2015, o RJ ficaria com a alíquota interna cheia, que é de 18%, ao passo que o Espírito Santo nada arrecadaria. 

Por conta disso, lembra Carvalho, estados como São Paulo, onde existem muitos polos comerciais e industriais, passaram a enriquecer com o aumento do e-commerce. Conforme frisa, o consumidor final, mesmo que de outro estado, dá preferência à compra fora devido aos preços mais baixos do que os praticados no local de origem. 

O gerente da Sefaz afirma que todas as mudanças da Lei Estadual 7.000/2001, que trata da cobrança do ICMS no Espírito Santo, guardam relação com a Lei Complementar 192/2022. 

Secretário da Fazenda destaca superávit no ES
Em prestação de contas na Ales, Marcelo Martins Altoé apontou aumento de arrecadação registrado nos primeiros oito meses de 2022
Terceiro setor é pauta de reunião na Assembleia
Especialista falou em reunião da Comissão de Cidadania sobre importância de entidades que exercem atividades de interesse social
Chuvas: aprovado auxílio financeiro para atingidos
Nova edição do Cartão Reconstrução ES pagará até R$ 3 mil em parcela única 
Marino presta contas de trabalho à frente da Sesa
Em audiência, secretário de Saúde em exercício falou sobre pandemia, imunização contra Covid e outras doenças, investimentos públicos e judicialização
Secretário da Fazenda destaca superávit no ES
Em prestação de contas na Ales, Marcelo Martins Altoé apontou aumento de arrecadação registrado nos primeiros oito meses de 2022
Terceiro setor é pauta de reunião na Assembleia
Especialista falou em reunião da Comissão de Cidadania sobre importância de entidades que exercem atividades de interesse social
Chuvas: aprovado auxílio financeiro para atingidos
Nova edição do Cartão Reconstrução ES pagará até R$ 3 mil em parcela única