Voto facultativo pode ser decisivo nas eleições

Analfabetos, jovens de 16 e 17 anos e idosos a partir de 70 anos representam 13,5% do eleitorado capixaba 

Por João Caetano Vargas, com edição de Angèle Murad

Ana Clara, jovem de cabelos claros e compridos e olhos claros segura smartphone com e-Título
Ana Clara: acho importante a presença e a atuação do jovem nas decisões políticas e sociais / Foto: Silvia Magna (interna) / Patrícia Nitz (capa)

Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontam que, no Espírito Santo, dos 2,9 milhões de eleitores quase 400 mil fazem parte daquele grupo que pode votar mas não é obrigado por lei - é o chamado voto facultativo. Esse é o caso dos analfabetos, idosos a partir de 70 anos e jovens de 16 e 17 anos. O número pode fazer a diferença no processo eleitoral, tendo em vista que representa 13,5% do eleitorado capixaba.

No estado, são mais de 100 mil analfabetos, 27 mil jovens de 16 e 17 anos e mais de 260 mil idosos acima dos 70 anos que estarão aptos a votar nessas eleições. O TSE tem apostado em campanhas sobre a valorização do voto, especialmente para os jovens que irão exercer esse direito pela primeira vez.

Jovens

A estudante Ana Clara Lopes de Barros, de 17 anos, explica sua participação nas eleições: “Mesmo sabendo que na minha idade o voto é facultativo, eu escolhi tirar meu título porque acho importante a presença e a atuação do jovem nas decisões políticas e sociais do meu país. Acho legal porque, além de nos sentirmos incluídos, também já começamos a entender melhor sobre quem queremos que nos represente”, afirma.

A estudante fala sobre o perfil político que vai orientar o seu voto: “Como jovem, eu vejo que nós, que vamos votar pela primeira vez, procuramos muito um candidato que realmente se importe com a educação, que é a base de tudo. A escola molda, em grande parte, quem vamos ser no futuro e o caminho que desejamos seguir, além de ser um dos lugares em que mais passamos nossa adolescência”, opina.

O engajamento social e a adoção de políticas públicas inclusivas também preocupam a jovem eleitora. “Enxergo que a minha geração é uma geração que luta muito pelo social, militamos e exigimos justiça pelas minorias; então, além de tudo, esperamos o mínimo de um candidato que respeite as mulheres, os pretos, homossexuais, entre outros”, complementa.

Ana Clara acredita que é possível fazer escolhas de candidatos que representem os jovens. “São pessoas que entraram novas nesse ramo e conseguem entender a necessidade da educação para transformar a sociedade, para mim os jovens possuem a mente mais aberta e, por isso, sua atuação é fundamental para ocupar os espaços de poder”, analisa.

Apesar de aprovar a participação de jovens de 16 e 17 anos no processo eleitoral, a estudante concorda com os critérios que proíbem pessoas nessa idade de se candidatarem. “Para mim não convém um menor de idade se candidatar como um político, acho justo podermos participar ativamente votando, debatendo, estudando e conhecendo a política; acho que nessa faixa etária somos muito novos e muitas das vezes nem saímos da escola”, argumenta.

“Sem contar os que não tiveram a oportunidade de estudar, por mais que sejamos uma geração mais ligada aos problemas sociais e que anseia por soluções, não temos a mesma mentalidade, discernimento, maturidade e conhecimento de quem já saiu do ensino básico e responde como um adulto”, finaliza.

Idosos

O engenheiro aposentado Josimar Nitz, de 75 anos, também acha importante a participação de pessoas da sua faixa etária no processo eleitoral. Ele entende que deixar de votar seria permitir que outras pessoas decidam por ele quem irá governar. “Quem toma essa decisão terá de aceitar aquilo que os outros decidiram por ele. Nunca deixei de votar e espero continuar votando enquanto puder comparecer às eleições”, diz.

Josimar lamenta a falta de representatividade dos idosos nas decisões importantes do país. “Sinto que os idosos não são levados em consideração como deveriam ser, principalmente pelo fato de desprezarem o conhecimento que um idoso adquiriu em toda a sua vida. Certos cargos de muita responsabilidade deveriam ser exercidos por pessoas capazes, com idade mais avançada”, opina.

O aposentado procura analisar com calma as propostas antes de fazer suas escolhas, observando os critérios que são importantes em seu ponto de vista, mas ultimamente tem optado por fazer o voto em um único partido. “Sempre procurei votar nos melhores candidatos, mas, com o acirramento da campanha, decidi votar em um partido”, conclui. 

Chocolate é o tema do Sabores que estreia sábado
Destaque fica para o “bean to bar”, conceito que simboliza a preocupação com o sabor do cacau e a sustentabilidade
Próximo governo: policiais reforçam demandas
Em reunião na Ales, eles disseram esperar que o governador reeleito atenda pleitos apresentados durante campanha eleitoral
Chuvas: Ales sinaliza apoio aos municípios
Legislativo coloca-se pronto para atender e ratificar situações oficiais de calamidade pública, permitindo agilidade no repasse de recursos estaduais 
Bahiense quer prevenção a novos atentados em escolas
Presidente da Comissão de Proteção à Criança e ao Adolescente propõe medidas de segurança, como botão de pânico, câmeras de monitoramento e vigilância armada
Chocolate é o tema do Sabores que estreia sábado
Destaque fica para o “bean to bar”, conceito que simboliza a preocupação com o sabor do cacau e a sustentabilidade
Próximo governo: policiais reforçam demandas
Em reunião na Ales, eles disseram esperar que o governador reeleito atenda pleitos apresentados durante campanha eleitoral
Chuvas: Ales sinaliza apoio aos municípios
Legislativo coloca-se pronto para atender e ratificar situações oficiais de calamidade pública, permitindo agilidade no repasse de recursos estaduais